Open/Close Menu Joseph El-mann
Influenza

Diversas informações equivocadas sobre um novo tipo de vírus causador da gripe foram repassadas pela internet, whatsapp e outros meios de comunicação. A Sociedade Brasileira de Imunizações divulgou uma nota explicando quais são as vacinas Influenza disponíveis no Brasil em 2018.

Sobre Influeza – Gripe
A Influenza, conhecida como gripe, está entre as viroses mais freqüentes em todo o mundo. Desde os primórdios da humanidade é causa de surtos e pandemias. A Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 10% da população é infectada anualmente pelo vírus influenza e que 1,2 bilhão de pessoas apresentam risco elevado para complicações da doença. Entre elas, 385 milhões de idosos acima de 65 anos de idade, 140 milhões de crianças e 700 milhões de crianças e adultos com alguma doença crônica.
A gripe é causada por mais de um tipo de vírus influenza, classificados como A e B, e cada um possui subtipos. Os subtipos A que mais freqüentemente infectam os humanos são os A (H1N1) e A (H3N2). Já os subtipos B são classificados como de linhagem Victoria e Yamagata.

Existe grupo de risco?
Pessoas de todas as idades são suscetíveis à infecção pelo vírus influenza. Alguns indivíduos estão mais propensos a desenvolverem complicações graves. São os casos de gestantes, puérperas, adultos com idade maior que 60 anos, crianças com idade menor que 5 anos e indivíduos que apresentem doença crônica, especialmente cardiorrespiratória, obesidade (IMC ≥ 40), diabetes, síndrome de Down e imunossupressão.

Sintomas
Diferente dos resfriados (causados por outros vírus), a gripe caracteriza-se por início súbito dos sintomas como febre, mialgia, tosse, dor de garganta, coriza, calafrios, tremores, cefaléia e anorexia. A infecção geralmente dura uma semana e os sintomas podem persistir por alguns dias.
Em alguns casos, principalmente nos grupos de maior risco, a doença pode evoluir com complicações respiratórias (como pneumonia viral ou bacteriana) ou outras menos comuns, bem como levar à descompensação da doença de base e até mesmo ao óbito.

Como é a transmissão?
A transmissão ocorre pelas secreções das vias respiratórias de uma pessoa contaminada ao falar, espirrar ou tossir, mas também pode acontecer por meio do contato das mãos com superfícies contaminadas por secreções respiratórias de um infectado. Nesses casos, o indivíduo carrega o agente infeccioso das mãos diretamente para a boca, nariz e olhos.

Quais são as vacinas disponíveis no Brasil?
As vacinas influenza disponíveis no Brasil são todas inativadas (de vírus mortos), portanto sem a capacidade de causar doença.
Até 2014 estavam disponíveis no Brasil apenas vacinas trivalentes. Desde então, as vacinas sofreram alterações. Em 2018, as vacinas trivalentes e quadrivalentes terão uma nova cepa A/H3N2 (Singapore), que substituirá a cepa A/H3N2 (Hong Kong) presente no ano anterior.

Qual vacina será utilizada na campanha do Ministério da Saúde?
Em 2018, a vacina que será utilizada na Campanha de Vacinação contra a Gripe do Ministério da Saúde será a trivalente, contendo uma cepa A/H1N1, uma cepa A/H3N2 e uma cepa B linhagem Victoria.

A vacina quadrivalente se mostrou eficaz?
As vacinas influenza quadrivalentes foram licenciadas baseadas em estudos de imunogenicidade e de segurança. Não foram realizados estudos de eficácia. Espera-se, pela maior abrangência de cobertura de cepas circulantes dessas vacinas, uma maior efetividade na prevenção da doença.

Quais são as reações adversas esperadas?
Os eventos adversos mais freqüentes ocorrem no local da aplicação: dor, vermelhidão e endurecimento em 15% a 20% dos vacinados. Essas reações costumam ser leves e desaparecem em até 48 horas.
Manifestações sistêmicas são mais raras, benignas e breves. Febre, mal- estar e dor muscular acometem 1% a 2% dos vacinados, de 6 a 12 horas após a vacinação e persistem por 1 a 2 dias, sendo mais comuns na primeira vez em que tomam a vacina. Reações anafiláticas são extremamente raras.
Em caso de sintomas não esperados (febre muito alta, reação exagerada, irritabilidade extrema, sinais de dor abdominal, recusa alimentar, sangue nas fezes, entre outros) é recomendado procurar imediatamente o médico ou serviço de emergência para atendimento e para que sejam descartadas outras causas, pois, em princípio, não são relacionados à vacina influenza.

Existe um intervalo mínimo entre as duas vacinas (tri e quadrivalente)?
O intervalo ideal é de quatro semanas entre duas vacinas influenza podendo ser utilizadas com intervalo mínimo de três semanas.

As vacinas influenza podem ser aplicadas simultaneamente com outras vacinas?
A exemplo das vacinas trivalentes, as vacinas quadrivalentes também podem ser aplicadas simultaneamente com as demais vacinas do calendário da criança, adolescente, adulto ou idoso.

Leia a nota completa da SBIm clicando aqui.

Sites úteis sobre influenza Família
SBIm: familia.sbim.org.br
WHO influenza: http://www.who.int/influenza/en/
WHO vigilância e monitoramento: http://www.who.int/influenza/surveillance_monitoring/en/
CDC: http://www.cdc.gov/flu/index.htm
MS/SVS: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/influenza

2020 © Copyright - Joseph El-Mann. Todos Direitos Reservados.

Agende sua consulta
Agende sua consulta
Agende sua consulta