A poliomielite ou “paralisia infantil” é uma doença infecto-contagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. O déficit motor instala-se subitamente e sua evolução, frequentemente, não ultrapassa três dias. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular, com sensibilidade conservada e arreflexia (ausência de reflexo) no segmento atingido.

No Brasil, não há circulação de poliovírus selvagem desde 1990, em virtude do êxito da política de prevenção, vigilância e controle desenvolvida pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

 

Etiologia

É causada pelo poliovírus, pertencente ao gênero Enterovírus, da família Picornaviridae, composto de três sorotipos (1, 2 e 3). É caracterizada nos seus quadros clássicos por paralisia flácida de início súbito, mas pode se apresentar de diferentes formas clínicas: inaparente ou assintomática ocorre em mais de 90% das infecções; abortiva em cerca de 5% dos casos caracterizada por sintomas inespecíficos, e a paralítica, pouco freqüente, de 1 a 1,6% dos casos.

 

Reservatório

O homem.

 

Modo de transmissão

Principalmente por contato direto pessoa a pessoa, pelas via fecal-oral (a principal), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou de portadores da doença, ou pela via oral-oral, por meio de gotículas de secreções da orofaringe ao falar, tossir ou espirrar. As más condições habitacionais, a higiene pessoal precária e o elevado número de crianças numa mesma habitação constituem fatores que favorecem a transmissão do poliovírus.

 

Período de incubação

Geralmente, de 7 a 12 dias, podendo variar de 2 a 30 dias.

 

Período de transmissibilidade

Não se conhece com exatidão. Pode iniciar-se antes do surgimento das manifestações clínicas, sendo o vírus encontrado nas secreções da orofaringe após 36 a 72 horas a partir da infecção. Em indivíduos infectados, a eliminação do vírus pela orofaringe persiste por um período de aproximadamente 1 semana e nas fezes por cerca de 3 a 6 semanas, enquanto nos indivíduos reinfectados a eliminação do vírus se faz por períodos mais reduzidos.

 

Manifestações Clínicas

Embora a poliomielite possa causar paralisia e até mesmo a morte, a maioria das pessoas infectadas com o poliovírus são assintomáticas, ou seja, não manifestam sintomas, de modo que a doença passa muitas vezes despercebida.

 

  • Poliomielite não-paralítica

A maior parte das pessoas que foram infectadas pelo poliovírus apresenta o tipo não-paralíticoda doença. Muitas vezes a pessoa não manifesta nenhum sintoma, e quando os sinais da doença aparecem, eles geralmente são muito similares aos sintomas da gripe e de outras doenças virais leves ou moderadas. Os sinais e sintomas, que costumam durar de um a dez dias são inespecíficos e, incluem:

  • Febre
  • Garganta inflamada
  • Dor de cabeça
  • Vômitos
  • Fadiga
  • Dor nas costasou rigidez muscular
  • Dor de garganta
  • Dor ou rigidez nos braços e nas pernas
  • Fraqueza muscular ou sensibilidade
  • Meningite

 

 

  • Poliomielite paralítica

Em casos raros, a infecção pelo poliovírus leva à poliomielite paralítica, a forma mais grave da doença.

Sinais da poliomielite paralítica, como febre e dor de cabeça inicial, muitas vezes imitam os da poliomielite não-paralítica. Dentro de uma semana, no entanto, os sintomas específicos de poliomielite paralítica aparecem, incluindo:

  • Perda dos reflexos
  • Dores musculares graves ou fraqueza
  • Membros soltos e flácidos, muitas vezes pior em um lado do corpo.

 

Complicações

Sequelas paralíticas. Parada respiratória devido à paralisia muscular.

Prevenção

poliomielite não tem tratamento específico. A doença deve ser evitada tanto através da vacinação contra poliomielite como de medidas preventivas contra doenças transmitidas por contaminação fecal de água e alimentos. As más condições habitacionais, a higiene pessoal precária e o elevado número de crianças numa mesma habitação também são fatores que favorecem a transmissão da poliomielite. Logo, programas de saneamento básico são essenciais para a prevenção da doença. No Brasil, a vacina é dada rotineiramente nos postos da rede municipal de saúde e durante as campanhas nacionais de vacinação. A vacina contra a poliomielite oral trivalente deve ser administrada aos dois, quatro e seis meses de vida. O primeiro reforço é feito aos 15 meses e o outro entre quatro e seis anos de idade.