Open/Close Menu Joseph El-mann
o que não dizer

Todos nós dizemos alguma coisa errada às vezes, deixando nossos filhos magoados, irritados ou confusos. Hoje vamos falar sobre o que não dizer ao filho e/ou novas maneiras de dizer a mesma coisa utilizando o reforço positivo.

“Me deixe em paz!”

Um pai que não almeja uma folga ocasional é um santo ou alguém que está tão atrasado por algum tempo sozinho que esqueceu os benefícios da recarga. O problema é que, quando você rotineiramente diz aos seus filhos “Não me incomodem” ou “Estou ocupado”, eles internalizam essa mensagem. Eles começam a pensar que não há sentido em falar com você porque você está sempre os ignorando. Se você definir esse padrão quando seus filhos forem pequenos, eles podem ter menos probabilidade de lhe dizer coisas à medida que envelhecem.

Desde a infância, as crianças devem perceber que os pais também precisam ter tempo para eles. Você deve criar esse hábito nos seus filhos. Use o que for mais conveniente, mais tranquilo e que vá gerar menos trabalho para você. Algumas opções que pensamos para esses casos: Creches em períodos curtos, dependendo da idade da criança, uma folguista ou babá, combinar com algum amigo ou parente para que ele fique com o seu filho em determinado dia e até mesmo deixar o seu filho em frente a televisão, vendo qualquer vídeo educativo apenas para que você possa relaxar. Esse tipo de “válvula de escape” pode ajudar em situações em que o caos insiste em querer dominar o espaço.

Outra alternativa ou opção relativamente interessante para os momentos de irritação, quando a criança já entende melhor as coisas, em idade pré-escolar, por exemplo, é você ser realista de uma forma doce. “Filha, mamãe precisa terminar essa coisa e precisa da sua ajuda, que você espere um pouquinho. Quando eu terminar, nós poderemos fazer o que está me pedindo. Tudo bem?”

“Você é tão…”

Os rótulos são atalhos que enganam as crianças: “Por que você é tão mau?” ou “Como você pode ser tão desajeitado?”. Às vezes as crianças nos ouvem conversando com outras pessoas: “Ela é a muito tímida”.

As crianças pequenas acreditam no que ouvem sem questionar, mesmo quando falamos sobre elas mesmas. Assim, os rótulos negativos podem se tornar uma “profecia” autorrealizável. A criança recebe a mensagem de que a maldade é sua natureza ou começa a pensar em si mesma dessa maneira, que não leva jeito para determinada coisa, minando sua confiança. Até rótulos que parecem neutros ou positivos – “tímidos” ou “inteligentes” – penetram em uma criança e colocam nela expectativas desnecessárias ou inadequadas.

Você consegue lembrar-se de algum episódio em que ouviu de seus pais algo como “Você é muito preguiçoso/a?” Nós acreditamos que a maioria vai lembrar alguma vez que passou por isso.

Uma forma muito melhor é abordar o comportamento específico e deixar de fora os adjetivos sobre a personalidade do seu filho. Por exemplo, caso seu filho não tenha permitido que o amiguinho brincasse na roda, “Pedro deve ter ficado chateado quando você disse para ninguém brincar com ele. Como podemos fazê-lo se sentir melhor?”

“Não chore.”

Variações: “Não fique triste”. “Não seja um bebê.” “Agora, agora não há razão para ter medo.” Mas as crianças ficam chateadas o suficiente para chorar, especialmente as crianças pequenas, que nem sempre conseguem expressar seus sentimentos com palavras. Eles ficam tristes. Eles se assustam.

É natural querer proteger uma criança de tais sentimentos, mas dizer ‘não ser’ não faz uma criança se sentir melhor, e também pode enviar a mensagem de que suas emoções não são válidas – que não é bom ficar triste ou com medo.

Em vez de negar que seu filho se sinta de uma maneira particular – quando ele obviamente o faz – reconheça a emoção na frente. “Isso deve deixar você triste quando João diz que não quer mais ser seu amigo.” “Sim, as ondinhas do mar com certeza podem ser assustadoras quando você não está acostumada com elas. Mas nós vamos apenas ficar aqui juntas e deixá-las fazer cócegas em nossos pés. Eu prometo que não vou soltar sua mão.”

Ao nomear os verdadeiros sentimentos que seu filho tem você lhe dará as palavras para se expressar – e mostrará a ele o que significa ser empático. Em última análise, ele chorará menos e descreverá suas emoções.

“Por que você não pode ser mais como sua irmã?”

Pode parecer útil segurar um irmão ou amigo como um exemplo brilhante. “Veja como João fecha seu casaco”, você pode dizer. Ou “Maria já está usando o penico, então você pode fazer isso também né?” Mas as comparações quase sempre saem pela culatra. Seu filho é ele mesmo, tem o próprio tempo, não é João ou Maria.

É natural que os pais comparem seus filhos, para procurar um quadro de referência sobre seus marcos ou seu comportamento. Isso faz parte do dia a dia de muitos pais: a comparação.

Mas não deixe seu filho ouvir você fazendo isso. As crianças desenvolvem no seu próprio ritmo e têm o seu próprio temperamento e personalidade. Comparar seu filho com outra criança dá a entender que você deseja que o seu filho seja diferente.

Nem fazer comparações ajuda a mudar o comportamento. Ser pressionada a fazer algo que a criança não está pronta para (ou não gosta de fazer) pode ser confuso para uma criança e pode minar sua autoconfiança. Também é provável que ela se ressinta e resolva não fazer o que você quer, em um teste de vontades (ou birra!).

Em vez disso, incentive suas realizações atuais: “Uau, você coloca os dois braços em seu casaco sozinho!” Ou “Obrigada por me dizer que precisamos trocar a sua fraldinha”.

“Você sabe melhor que isso!”

Como as comparações, as ações rápidas podem machucar as crianças sem que os pais imaginem. Aprender é um processo de tentativa e erro. Você explicou algo ou ele aprendeu na escola, mas será que seu filho realmente entendeu que um jarro pesado seria difícil de derramar? Talvez não parecesse tão cheio, ou era diferente daquele do que ele conseguiu carregar na escolinha.

E mesmo que ele tenha cometido o mesmo erro ontem, seu comentário não é produtivo e nem favorável. Dê ao seu filho o benefício da dúvida e seja específico. Diga “Eu gosto mais se você fizer assim, porque assim não teremos que limpar o chão todo. Obrigado, filho.”

Frases similares incluem “Eu não posso acreditar que você fez isso!” e “Já está na hora!” Elas podem não parecer horríveis, mas a medida que você repete e repete, elas se somam, e a mensagem subjacente que as crianças ouvem é: “Você nunca faz nada certo”.

“Pare ou eu vou te dar algo para chorar!”

Ameaças, geralmente o resultado da frustração dos pais, raramente são eficazes. Nós engasgamos com avisos como “Faça isso ou aquilo!” ou “Se você fizer isso mais uma vez, eu vou bater em você!”. O problema é que, mais cedo ou mais tarde, você terá que compensar a ameaça ou perderá seu poder.

É sabido e muito estudado que as ameaças de bater levam a mais surras – o que por si só provou ser uma maneira ineficaz de mudar o comportamento. Quanto mais novinha for uma criança, mais tempo levará para aprender.

Estudos mostraram que as chances de uma criança de dois anos repetir um erro mais tarde, no mesmo dia, são de 80%, não importa que tipo de disciplina você use.

Mesmo com crianças mais velhas, nenhuma estratégia de disciplina produz resultados infalíveis logo de cara. Portanto, é mais eficaz desenvolver um repertório de táticas construtivas, como redirecionamento, remoção da criança da situação ou tempos de espera, do que confiar naquelas com consequências negativas comprovadas, incluindo ameaças verbais e surras.

“Espere até o papai chegar em casa!”

Esse familiar clichê não é apenas outro tipo de ameaça, é também uma disciplina diluída. Para ser eficaz, você precisa cuidar de uma situação imediatamente. A disciplina que é adiada não liga as consequências às ações do seu filho. No momento em que o outro responsável chega a casa, é provável que seu filho realmente tenha esquecido o que ele fez de errado. Alternativamente, a agonia de antecipar uma punição pode ser pior do que a que o “crime” original merecia.

Passar a responsabilidade para outra pessoa também prejudica a sua autoridade. “Por que eu deveria ouvir a mamãe se ela não vai fazer nada mesmo?” seu filho pode raciocinar. Não menos importante, você está colocando o seu parceiro em um papel de “o mais chato/cruel” imerecidamente.

“Se apresse!”

Quem neste mundo de compromissos consecutivos, agendas lotadas, déficits de sono e trânsito não proferiu essas palavras imortais?

Certamente todos os pais cuja criança não encontrou seus sapatos ou qualquer coisa no mínimo tempo possível, ou ainda não quis colocar as meias “por conta própria!”. Considere, porém, o seu tom de voz quando você implora a uma criança que se apresse e com que frequência você diz isso.

Se você está começando a choramingar, gritar ou suspirar todos os dias, com as mãos nos quadris e os dedos dos pés batendo, cuidado! Há uma tendência quando estamos apressados ​​para fazer nossos filhos se sentirem culpados por nos fazer correr. A culpa pode fazê-los sentir-se mal, mas isso não os motiva a se mover mais rápido.

Procure maneiras de acelerar o processo de saída de casa, por exemplo, já deixando a televisão desligada ou as meias da criança perto dos sapatos. Tente pensar em algo que você repete todos os dias e procure alternativas, mesmo que você tenha que colocar as meias do seu filho por enquanto. Pelo menos será algo a menos para te deixar irritado.

“Bom trabalho!” ou “boa menina!”

O que poderia estar errado com elogios? O reforço positivo, afinal, é uma das ferramentas mais eficazes que um pai tem. O problema surge quando o elogio é vago e indiscriminado. Jogando fora “Ótimo trabalho!” para cada pequena coisa que seu filho faz – de terminar seu leite para desenhar – fica sem sentido. As crianças se desligam. Eles também sabem a diferença entre elogios por fazer algo rotineiro e simples e elogios por um esforço real.

O que não dizer ao filho

Para sair do hábito de elogiar o que não precisa necessariamente ser elogiado:

  • Elogie apenas as realizações que exigem esforço real. Terminar um copo de leite não é tão grandioso assim. Nem desenhar uma imagem, se o seu filho é do tipo que faz dezenas e dezenas deles todos os dias.
  • Seja específico. Em vez de “Belo trabalho”, diga: “Que cores brilhantes e felizes você escolheu para as pintinhas do cachorro”. Ou “vejo que você desenhou uma foto da história que lemos esta manhã”.
  • Elogie o comportamento em vez elogiar a criança: “Você ficou tão quietinho com o seu quebra-cabeça enquanto eu terminava o meu trabalho, exatamente como eu pedi”.

Essas são algumas frases que costumamos usar e algumas dicas de reforço positivo ao invés de “estouro coletivo”. Mas sabemos que nem todos os dias serão fáceis e, por sorte, teremos sempre outra oportunidade de fazer diferente amanhã.

A clínica pediátrica Joseph El-mann é especializada em atendimentos pediátricos e neonatologia. A clínica oferece serviços de consultas em consultório ou em residência, parto assistido, aplicação de vacinas, consultas internacionais e visitas hospitalares. A clínica é chefiada pelo doutor Joseph El-mann, graduado em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (UFF), no ano de 1991.

2020 © Copyright - Joseph El-Mann. Todos Direitos Reservados.

Agende sua consulta
Agende sua consulta
Agende sua consulta