Open/Close Menu Joseph El-mann
FIV

O que é a fertilização in vitro (FIV)? Em quais situações o método é aplicável? A FIV pode ajudar a engravidar?

A Fertilização in vitro (FIV) é um processo em que as células ovarianas são fertilizadas pelo espermatozoide fora do corpo, in vitro. In vitro vem do Latim e significa em vidro, o que, no caso, se refere a um tubo de teste ou prato de Petri, daqueles usados em ciências. O primeiro nascimento de sucesso de um “bebê de tubo de ensaio” ocorreu em 1978. Robert G. Edwards, o médico que desenvolveu o tratamento, foi premiado com o Nobel em 2010.

FIV é um tratamento para a infertilidade que envolve controle hormonal do processo ovulatório, removendo o óvulo dos ovários femininos e permitindo que os espermatozoides fertilizem-o em um meio fluido (in vitro). O óvulo fertilizado é então transferido ao útero da paciente com a intenção de estabelecer uma gravidez de sucesso.

Usualmente, o tratamento da fertilização in vitro é preconizado uma vez que os outros tratamentos tenham falhado seguidos meses de tentativas de engravidar sem sucesso.
A fertilização “in vitro”, também conhecida como bebê de proveta, é a união do espermatozoide com o óvulo no laboratório, formando o embrião que posteriormente será transferido para a cavidade uterina.

A paciente recebe medicações que vão estimular o crescimento dos folículos ovarianos. Os ovários são avaliados periodicamente até os folículos apresentarem tamanho adequado para agendar o dia da fertilização. Ao final da indução da ovulação, é administrada uma medicação que vai terminar de amadurecer os óvulos e aproximadamente 35hs após este procedimento é agendada a aspiração dos óvulos (punção folicular).

A punção folicular é realizada sob sedação (anestesia). O médico utiliza o ultrassom com uma agulha e aspira os folículos ovarianos via transvaginal. Os óvulos são encontrados dentro do líquido aspirado. No mesmo dia, o homem colhe o sêmen através da masturbação. Após algumas horas, o casal é liberado.

No laboratório, os óvulos são colocados em um recipiente com os espermatozoides (FIV clássica). Após dois ou três dias, em alguns casos até cinco dias, a paciente retorna para transferência embrionária. A transferência não requer anestesia. Os embriões são colocados dentro do útero com um cateter especial com ou sem auxílio de uma ultrassonografia pélvica via supra-púbica. Após 12 a 14 dias, já se pode saber o resultado através do teste de gravidez (beta-hCG). A taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.

A FIV pode ser usada para tratar a infertilidade nos seguintes pacientes:

  • Trompas de Falópio bloqueadas ou danificadas
  • Infertilidade do fator masculino, incluindo diminuição da contagem de espermatozoides ou capacidade de locomoção dos espermatozoides
  • Mulheres com distúrbios de ovulação , insuficiência ovariana prematura, miomas uterinos
  • Mulheres que tiveram suas trompas de Falópio removidas
  • Indivíduos com um distúrbio genético
  • Infertilidade inexplicada

FERTILIDADE E SEUS PASSOS
Existem basicamente 5 passos no processo do tratamento da fertilização in vitro para engravidar que incluem a transferência de embrião:

PASSO 1 – MONITORAMENTO E ESTIMULAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DE ÓVULOS SAUDÁVEIS NOS OVÁRIOS
Medicações para fertilidade são prescritas para controlar o momento do amadurecimento do óvulo e aumentar a chance da coleta de múltiplos óvulos durante um dos ciclos femininos. Este processo é chamado de indução da ovulação.

Múltiplos óvulos são desejados porque alguns óvulos não irão se desenvolver ou fertilizar após sua obtenção. O desenvolvimento do óvulo é monitorado usando-se o ultrassom para o exame dos ovários e testes de amostras de urina ou sangue para checagem dos níveis hormonais.

PASSO 2 – OBTENÇÃO DOS ÓVULOS
Os óvulos são obtidos através de um pequeno procedimento cirúrgico minimamente invasivo no qual a imagem do ultrassom é usada para guiar uma agulha coletora através da cavidade pélvica. Sedação e anestesia local são administradas para a remoção de qualquer desconforto que se possa experimentar. Os óvulos são removidos dos ovários usando-se a agulha coletora, processo este chamado de aspiração folicular. O processo de obtenção do óvulo normalmente leva de 20 a 30 minutos, dependendo do número de folículos maduros presentes. Algumas mulheres podem experimentar cólicas no dia da obtenção, o que comumente alivia no dia seguinte; no entanto, uma sensação de preenchimento ou pressão pode durar por várias semanas subsequentes ao procedimento.

PASSO 3 – OBTENÇÃO DO ESPERMATOZOIDE
No dia da obtenção do óvulo, o parceiro masculino necessitará produzir uma amostra de esperma para o laboratório de fertilização in vitro utilizar na fertilização dos óvulos. Alternativamente, o sêmen deve ser obtido do doador. O homem que proverá o sêmen deve abster-se de ejacular de 3 a 5 dias antes da obtenção do óvulo.

PASSO 4 – FERTILIZAÇÃO E CRESCIMENTO PRECOCE DO EMBRIÃO
Em um processo chamado inseminação, o esperma e os óvulos são colocados em incubadoras localizadas no laboratório que possibilitam a ocorrência da fertilização. Em alguns casos onde suspeita-se que a fertilização seja baixa, a injeção intracitoplasmática de espermatozoides pode ser usada. Através deste procedimento, o embriologista separa um único espermatozoide e o injeta diretamente no óvulo na tentativa de atingir a fertilização. Os óvulos são monitorados para que se confirme que a fertilização e a divisão celular estão ocorrendo. Uma vez isto ocorrendo, os óvulos fertilizados são considerados embriões.

PASSO 5 – TRANSFERÊNCIA DOS EMBRIÕES PARA O ÚTERO
Os embriões são normalmente transferidos para o útero da mulher em algum momento entre o 1º e o 6º dia após a obtenção do óvulo, sendo mais frequente realizado entre o 2º e o 3º dias após a obtenção do óvulo. Neste momento, o óvulo fertilizado dividiu-se para tornar-se um embrião de 2 a 4 células. O processo de transferência envolve um espéculo que é inserido na vagina para expôr a cervix. Um número pré-determinado de embriões estão suspensos em um fluido e gentilmente colocados através de um cateter no útero. Este processo é frequentemente guiado por ultrassom. O procedimento é normalmente indolor, mas algumas mulheres experimentam cólicas moderadas.
Estes passos são seguidos por repouso e observação de sintomas de uma gravidez precoce. Por volta de duas semanas após a obtenção, um teste sanguíneo, e, em alguns casos, um ultrassom, serão usados para determinar se a implantação e a gravidez ocorreram.

EMBRIÕES EXCEDENTES
Algumas vezes os casais podem ter embriões excedentes à disposição após um procedimento de fertilização in vitro. Nesses casos, estes casais devem decidir por criopreservação (congelamento) para armazenar embriões para um futuro ciclo de fertilização in vitro.

VEJA ESTE VÍDEO COM O PROCESSO DA FERTILIZAÇÃO IN VITRO

Fonte: Dra Juliana Amato, especialista em Ginecologia, Obstetrícia e Infertilidade.

2015 © Copyright - Joseph El-Mann. Todos Direitos Reservados.