Open/Close Menu Joseph El-mann
covid-19

A Academia Americana de Pediatria publicou em seu site um guia com considerações sobre o retorno às aulas diante do cenário da pandemia de Covid-19.

De acordo com o documento, o objetivo é “é apoiar educação, saúde pública, liderança local e pediatras que colaborem com as escolas na criação de políticas para a reinserção escolar que promovam a saúde geral de crianças, adolescentes, funcionários e comunidades e sejam baseadas nas evidências disponíveis”.

Além disso, vale destacar a posição dos autores sobre a função da escola, não sendo apenas para o ensino acadêmico.

As escolas são fundamentais para o desenvolvimento e o bem-estar de crianças e adolescentes e fornecem a nossas crianças e adolescentes instrução acadêmica, habilidades sociais e emocionais, segurança, nutrição confiável, terapia física / de fala e de saúde mental e oportunidades de atividade física, entre outros benefícios. Além de apoiar o desenvolvimento educacional de crianças e adolescentes, as escolas desempenham um papel crítico na abordagem da desigualdade racial e social. Assim sendo, é fundamental refletir sobre o impacto diferencial do SARS-CoV-2 e o fechamento escolar associado teve diferentes raças, populações étnicas e vulneráveis. Essas recomendações são fornecidas, reconhecendo que nosso entendimento da pandemia de SARS-CoV-2 está mudando rapidamente.

Os princípios-chave para a reinserção escolar foram elecados da seguinte forma:

As políticas da escola devem ser flexíveis e ágeis na resposta a novas informações, e os administradores devem estar dispostos a refinar as abordagens quando políticas específicas não estiverem funcionando.

É extremamente importante desenvolver estratégias que possam ser revisadas e adaptadas, dependendo do nível de transmissão viral na escola e em toda a comunidade, e realizadas com uma estreita comunicação com as autoridades de saúde públicas estaduais e/ou locais, e com o reconhecimento das diferenças entre os distritos escolares, incluindo distritos urbanos, suburbanos e rurais.

As políticas devem ser práticas, viáveis e apropriadas para o estágio de desenvolvimento de crianças e adolescentes.

Considerações especiais e acomodações para explicar a diversidade de jovens devem ser feitas, especialmente para nossas populações vulneráveis, incluindo aqueles que são medicamente frágeis, vivem na pobreza, têm desafios de desenvolvimento ou têm necessidades ou deficiências especiais de saúde, com o objetivo de garantir segurança para voltar à escola.

Nenhuma criança ou adolescente deve ser excluído da escola, a menos que seja necessário para cumprir os mandatos locais de saúde pública ou devido a necessidades médicas específicas. Pediatras, famílias e escolas devem formar parcerias para identificar e desenvolver acomodações, quando necessário.

As políticas escolares devem ser orientadas pelo apoio à saúde e bem-estar gerais de todas as crianças, adolescentes, suas famílias e comunidades. Essas políticas devem ser comunicadas de forma consistente.

Outros fatores corroboram fortemente para a presença dos alunos fisicamente nas aulas. Um longo período longe da escola pode resultar em isolamento social, dificultando a identificação de déficits de aprendizagem, bem como um impacto substancial na alimentação e atividade física da criança e sua família.

Evidências crescentes devem ser consideradas sobre o COVID-19 em crianças e adolescentes, incluindo o papel que podem desempenhar na transmissão da infecção. O comportamento do SARS-CoV-2 parece ser diferente em crianças e adolescentes. Até o momento, entende-se que é menos provável que as crianças sejam infectadas e espalhem a infecção.

Nenhuma ação ou conjunto de ações isoladas eliminará completamente o risco de transmissão do SARS-CoV-2, mas a implementação de várias intervenções coordenadas pode reduzir bastante esse risco.

As escolas precisarão estar preparadas para essa retomada das aulas, ajustando currículos e instituindo práticas instrucionais, sem a expectativa de que todo o processo acadêmico perdido possa ser alcançado.
Impacto emocional das crianças, adolescentes e funcionários: apoio à saúde mental.

O impacto emocional da pandemia exige atenção cuidadosa e planejamento. As escolas devem estar preparadas para adotar uma abordagem de apoio à saúde mental. Há uma necessidade de treinamento de professores e outros educadores para conversar e apoiar os alunos nesse retorno, visto que a pressão e preocupação desses alunos podem desencadear pânico e levar ao suicídio.

Nos Estados Unidos, o suicídio é a segunda principal causa de morte entre adolescentes ou jovens de 10 a 24 anos de idade.

Além das crianças, o impacto pessoal em educadores e outros funcionários da escola deve ser reconhecido. Da mesma forma que os alunos precisarão de apoio para retornar efetivamente à escola e estarem preparados para processar as informações que estão sendo ensinadas, não se pode esperar que os professores sejam bem-sucedidos em ensinar os conteúdos em sua totalidade.

A pressão sobre os professores neste ano, à medida que lhes é pedido que ensinem de maneira diferente, enquanto apoiam suas próprias necessidades e as de suas famílias, tem sido significativa, e eles trarão esse estresse de volta à escola quando as escolas reabrirem.

As necessidades e preocupações individuais dos profissionais da escola devem ser tratadas conforme a necessidade.

Muitos desafios deverão ser ultrapassados para que haja sucesso nessa volta às aulas. É importante que tanto a escola quanto os pais não antecipem ou tentem recuperar o tempo acadêmico perdido, para os estudos não se tornem uma fonte de mais sofrimento.

2020 © Copyright - Joseph El-Mann. Todos Direitos Reservados.

Agende sua consulta
Agende sua consulta
Agende sua consulta